sexta-feira, junho 21, 2024

InícioÚltimas NotíciasRede municipal de saúde tem seis mil pessoas na fila de espera...

Rede municipal de saúde tem seis mil pessoas na fila de espera por cirurgias eletivas

O número de pessoas que aguardam na fila de espera por cirurgias eletivas no Sistema Único Saúde (SUS) de Juiz de Fora aumentou significativamente nos últimos meses. Em dezembro, o total de procedimentos que aguardavam por sua realização era de pouco mais de quatro mil. Agora, a fila de espera já conta com cerca de seis mil cirurgias represadas. O número foi informado pela subsecretária de Regulação da Secretaria de Saúde da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), Kele Delgado, durante audiência pública realizada na tarde desta terça-feira (19) na Câmara Municipal.

O encontro na sede do Poder Legislativo foi convocado a partir de requerimento do vereador Bejani Júnior (Podemos), que é presidente da Comissão de Saúde Pública e Bem-estar Social da Câmara. A audiência debateu, exatamente, os atrasos na realização dos procedimentos envolvendo as cirurgias eletivas na rede municipal de saúde, situação que se agravou desde a restrição de alguns procedimentos nos últimos anos, por conta da pandemia da Covid-19.

Ao final do encontro, todavia, muitos vereadores ficaram insatisfeitos por não conseguirem um cronograma de ação por parte da Secretaria de Saúde para a redução da fila de espera por cirurgias eletivas. Cabe lembrar que os procedimentos chegaram a ser suspensos, à exceção de casos mais graves, durante a pandemia e começaram a ser retomados em junho do ano passado. “É importante frisar que as cirurgias nunca pararam, principalmente as oncológicas e hospitalares”, afirma Kele.

O conteúdo continua após o anúncio

De acordo com números da PJF, o número de cirurgias eletivas realizadas na cidade reduziu de forma considerável entre 2019 e 2020 e, até 2021, não havia sido retomado o mesmo patamar, o que potencializa o crescimento do número de procedimentos represados, que cresceu cerca de 50% nos últimos quatro meses. “Houve uma queda de 40% das execuções de cirurgias eletivas de 2019 para 2021.”

Segundo a subsecretária, em 2019, Juiz de Fora realizou entre oito mil e nove mil procedimentos; em 2020, esse número caiu para algo em torno de quatro mil; e, no ano passado, foram cerca de cinco mil. “A gente espera ir aumentando gradativamente.”

Encontro na sede do Poder Legislativo foi convocado a partir de requerimento do vereador Bejani Júnior (Podemos), que é presidente da Comissão de Saúde Pública e Bem-estar Social da Câmara (Foto: Fernando Priamo)

Problema crônico

Em sua fala inicial, o vereador Bejani Júnior, proponente do encontro, ressaltou que “as cirurgias eletivas são um problema enraizado no Município”. “Antes da pandemia já era um problema para a cidade”, ressaltou o parlamentar, que cobrou da PJF um cronograma para a equação do problema. Por sua vez, o secretário municipal de Saúde, Ivan Chebli, pontuou que é uma situação antiga e remete a 1992, quando se deu o processo de municipalização da gestão da saúde pública. Para Chebli, a dificuldade vai além do município e diz respeito ao financiamento tripartite da saúde pública.

“O Estado e o Governo federal reconhecem que existe uma demanda reprimida por procedimentos eletivos, em especial cirúrgico de média complexidade. Tanto que agora o Governo de minas, com recursos do Tesouro estadual, está tentando zerar a fila pagando valores superiores ao da tabela SUS, para ver se motiva os hospitais a aderirem à iniciativa”, afirma, citando o programa “Opera Mais, Minas Gerais”. Lançada pelo Governo do Estado no fim do ano passado, a iniciativa é uma das apostas do Município em esforço para reduzir a fila de espera por cirurgias eletivas.



FONTE: TRIBUNA DE MINAS

PEDRO SILVA
PEDRO SILVA
SÓCIO GERENTE DO JORNAL ACONTECEU.

MAIS NOTÍCIAS