quinta-feira, fevereiro 29, 2024

InícioCinema e SériesDestaques da programação na RTP2 (27 de novembro a 3 de dezembro...

Destaques da programação na RTP2 (27 de novembro a 3 de dezembro 2023) – Notícias de televisão e séries

Esta semana, o canal da televisão pública propõe séries europeias, teatro, um documentário sobre a SIDA e filmes de Wong Kar Wai, John Cassavetes e Teresa Villaverde.

A programação da RTP2 para a semana inclui a estreia de três séries europeias: a belga “Vida Dupla”, sobre duas mulheres que descobrem a vida dupla do seu companheiro, a britânica “O Fantasma de Canterville”, baseada num conto de Oscar Wilde sobre uma família americana que se muda para um castelo assombrado na Inglaterra rural e, a alemã “Simplesmente Nora” que acompanha as dificuldades de uma médica recém-chegada a uma ilha.

Dois documentários vão abordar, respetivamente, a vida de Robert Frank, um dos nomes maiores da fotografia contemporânea; e as diferentes fases porque a SIDA e o VIH passaram e os problemas sociais, económicos, políticos e de saúde que causaram (em quatro episódios). 

O cinema fica a cargo de Wong Kar Wai, John Cassavetes e Teresa Villaverde.

Abaixo, as propostas semanais em maior detalhe:

 

Simplesmente Nora (estreia da série)

RTP2, segunda, 27 de novembro, 11h30

Série

Série alemã de 15 episódios, que acompanha as dificuldades de uma médica recém-chegada à ilha de Rügen.

Nora Kaminski era médica num navio de cruzeiro de luxo antes da sua carreira naufragar. Agora, praticamente sem nada, aceita relutantemente a ajuda do antigo colega de faculdade, o Dr. Richard Freese, que lhe oferece um emprego na sua clínica na ilha de Rügen. Mas no seu novo ambiente no extremo norte da Alemanha as coisas não são fáceis para a alma encantadora e alegre do Vale do Ruhr. Os ilhéus encaram Nora com bastante desconfiança e quando a verdadeira razão pela qual perdeu o antigo emprego vem à tona, recusam-se a ser tratados por ela. Além disso, enfrenta problemas com o novo senhorio. Quando Nora está prestes a deixar tudo, Richard mais uma vez dá uma ajuda.

 

Vida Costeira (estreia)

RTP2, segunda, 27 de novembro, 16h00

Documentário

A Baía de Lübeck, um oásis natural.

A Baía de Lübeck tende a ser associada a Sol, praias de areia e brisa fresca. A terceira maior baía do Mar Báltico, da Alemanha, é rica em paisagens de dunas únicas, falésias escarpadas e estâncias balneares movimentadas. Mas poucas pessoas sabem que é também o lar de algumas criaturas verdadeiramente notáveis, como a lontra, a andorinha-do-mar-ártica, e o ameaçado abibe. O documentário de Klaus Weissmann e Wilma Kock leva-nos numa viagem por toda a costa pitoresca, de Fehmarn a Travemünde, para explorar paisagens intocadas, oásis naturais e uma surpreendente variedade de vida animal.

 

Dias Selvagens (1990)

RTP2, segunda, 27 de novembro, 23h45

Filme

Filme do cineasta chinês Wong Kar Wai (“Ao Sabor da Ambição”, “Disponível Para Amar”, “O Grande Mestre”, “Anjos Caídos”), uma história de insaciável desejo romântico na Hong Kong dos anos 1960.

1960. Yuddy é um jovem que descobriu recentemente que a mulher que o criou, uma prostituta, não é a sua mãe biológica. Ela recusa dizer-lhe quem é a sua verdadeira mãe, até que a revelação desencadeia uma série de perturbações mentais em Yuddy. Paralelamente duas mulheres apaixonam-se por ele, mas o jovem mostra-se incapaz de decidir com quem deseja ficar.

 

Águas Secretas da Natureza (estreia)

RTP2, terça, 28 de novembro, 16h00

Documentário

Os lagos de Feldberg, um exemplo de conservação bem-sucedida.

Entre Berlim e o Mar Báltico encontra-se uma das regiões com maior biodiversidade da Alemanha: um labirinto de lagos, florestas, colinas e vales, muitos deles ainda pouco explorados. A região é o lar de grandes aves de rapina, como a águia-rabalva e a sua prima muito mais rara, a águia-pomarina e a águia-pesqueira. As águas cristalinas dos lagos da região estão repletas de vida: os lúcios perseguem as suas presas, os “corais do norte” florescem, as lontras caçam para se alimentar e as tartarugas europeias constroem os ninhos na costa. A natureza secreta do norte da Alemanha é um exemplo de conservação bem-sucedida.

 

Vida Dupla (estreia da série)

RTP2, terça, 28 de novembro, 22h00

Série

Tem a certeza que conhece a pessoa que ama? Série belga de 6 episódios.

Laurence e Nina acham que têm um relacionamento feliz e exclusivo com o seu companheiro, Marc, um conceituado arquiteto de Lausanne. Mas quando ele morre repentinamente, descobrem, para seu horror, que não eram a única mulher da sua vida. Marc tinha uma vida dupla, dividida entre Laurence, a mãe dos dois filhos, com quem viveu vinte anos, e Nina, a esposa “oficial”, com quem casou legalmente há apenas um ano. As duas viúvas vão ter de encontrar uma maneira de refazer a vida, após anos de mentiras. Laurence, que se achava uma mulher realizada, percebe que a vida lhe passou ao lado, enquanto Nina, presa entre o desejo de ter um filho e as ambições profissionais, percebe que escolheu o irmão errado. As complicações começam logo com a organização do funeral, tendo as duas mulheres interpretações contraditórias sobre o que Marc queria, e continuam com a distribuição da herança, entre a esposa legal e os filhos, deixando a companheira de uma vida num limbo bastante desconfortável.

 

Life Goes On (estreia)

RTP2, quarta, 29 de novembro, 22h55

Documentário

Um retrato inédito e raro de Robert Frank, um dos nomes maiores da fotografia contemporânea.

Documentário intimista sobre um dos nomes maiores da fotografia norte-americana do pós-guerra, Robert Frank (1924-2019), autor da obra seminal “The Americans”. Partindo de uma entrevista realizada em Portugal, no dia 12 de setembro de 2001, Albano Silva Pereira mostra-nos o lado mais pessoal de um homem, por norma reservado e com laivos de misantropia, em jeito de balanço final. A sua casa, os seus objetos pessoais, a sua obra. Uma homenagem franca e sem subterfúgios: ao homem americano, ao homem recluso e despojado, ao homem rock-star, ao homem de família e amigo, ao homem ávido por imagens e que já se cansou delas, ao homem afinal afável e divertido, ao homem que diz, enquanto tenta perceber como funciona o fax, “take it out, show it all”.

 

A Dádiva dos Glaciares: Como as Glaciações Deram Forma à Europa (estreia)

RTP2, quinta, 30 de novembro, 16h00

Documentário

As forças gigantescas que moldaram o continente europeu.

O continente europeu nem sempre teve o aspeto que tem hoje. Foram precisas forças gigantescas para moldar os terrenos e as linhas costeiras: massas de gelo e água. Descobertas científicas espetaculares mudaram o modo como olhamos para a Europa. Sem as glaciações seria hoje um continente muito diferente. Há 450 mil anos, uma massa de gelo enorme, com vários quilómetros de espessura, cobria o Norte da Europa. A água do degelo criou um enorme lago que rompeu a crista calcária que ligava Calais a Dover e separou a França da Grã-Bretanha moldando o Canal da Mancha. A água empurrou escombros e detritos por todo o continente formando a Dinamarca e o norte da Alemanha. A Europa é verdadeiramente uma dádiva dos glaciares.

 

SIDA 4.0 (estreia)

RTP2, sexta, 1 de dezembro, 22h50

Série documental

Os anos do medo, da discriminação, do estigma e da inovação. Série documental de 5 episódios.

Quarenta anos após o aparecimento do Vírus da Imunodeficiência Humana que causa a SIDA é tempo de contar a História e as Estórias e refletir sobre os anos que também abalaram o mundo e que trouxeram, com a infeção, o medo, a discriminação e o estigma, mas também a inovação e a certeza de que, mesmo com SIDA é possível Viver Mais e Melhor. Em 5 episódios vamos analisar as diferentes fases porque a SIDA e o VIH passaram e os problemas sociais, económicos, políticos e de saúde que se registaram nestas quatro décadas, a nível nacional.

A esta parceria, entre a consultora FDC Consulting e a RTP2, com consultoria científica de Francisco Antunes, professor Jubilado do Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, juntaram-se muitos dos protagonistas que viveram e vivem a realidade do VIH/SIDA desde os anos 80 do século passado até hoje, e que estiveram e estão na linha da frente no apoio a quem precisou e precisa. Porque a SIDA ainda não acabou!

 

Sombras (1959)

RTP2, sexta, 1 de dezembro, 23h20

Filme

Filme do cineasta norte-americano John Cassavetes (“Rostos”, “Noite de Estreia”, “Glória”, “A Morte de um Apostador Chinês”, “Maridos”), sobre as relações inter-raciais na Nova Iorque da geração beat, nos finais dos anos 1950.

Três jovens irmãos afro-americanos partilham um apartamento em Nova Iorque. Benny passa os dias entre a rua e os bares, Hugh tenta fazer carreira como cantor de jazz, e Leila sonha ser escritora. Numa festa, Leila, mulher negra de pele clara, conhece Tony, um homem branco, e os dois iniciam um romance. Mas o seu relacionamento fica em risco quando Tony conhece Hugh, o irmão mais velho de Lelia, de pele mais escura, e descobre a verdade sobre a herança racial da namorada.

Primeira longa-metragem de John Cassavetes, “Sombras” é como que um “manifesto” por um novo cinema, um cinema “rebelde”, que inaugura uma forma de trabalhar com os atores que se tornaria uma marca distintiva e decisiva na obra do realizador.

 

O Fantasma de Canterville (estreia da série)

RTP2, sábado, 2 de dezembro, 20h35

Série

Série britânica de 4 episódios, baseada no conto de Oscar Wilde, sobre uma família americana que se muda para um castelo assombrado na Inglaterra rural.

O inventor e bilionário americano Hiram Otis compra um castelo abandonado na Inglaterra rural sem saber que o conteúdo inclui o maléfico fantasma Sir Simon de Canterville que assombra o local há séculos e com grande sucesso. Sir Simon de Canterville é extremamente orgulhoso da sua reputação ignóbil, sendo considerado o melhor fantasma das Ilhas Britânicas. Quando os Otis se mudam para a propriedade, Sir Simon prepara-se para lhes dar o maior susto das suas vidas. Só há um problema, os Otis não têm medo de fantasmas. Enfrentando o acolhimento traiçoeiro da aristocracia inglesa, um assustador mistério familiar e um romance proibido, a família Otis procura manter-se unida. Partidas, profecias e sotaques assustadoramente deliciosos abundam nesta aventura romântica e arrepiante sobre amor, perda e família. Uma versão moderna da clássica história de Oscar Wilde que mostra como há sempre esperança para os assombrados.

 

Fonte da Raiva (estreia)

RTP2, sábado, 2 de dezembro, 22h00

Teatro

Peça de teatro com texto e encenação de Cucha Carvalheiro, que evoca memórias do verão de 1962 numa das aldeias mais pobres de Portugal.

Inspirado em “Danças a um Deus Pagão” de Brian Friel, o texto de “Fonte da Raiva” é constituído por cenas curtas intercaladas pela intervenção da narradora dirigindo-se diretamente ao público. Presente e passado convivem, numa tentativa de refazer memórias felizes que escondiam tempos sombrios. Com Bruno Huca, Cucha Carvalheiro, Inês Rosado, Joana Campelo, Júlia Valente, Leonor Buescu, Luís Gaspar, Sandra Faleiro.

Amélia, uma mulher filha de mãe branca e pai negro, regressa às ruínas da casa onde nasceu, em Fonte da Raiva, uma das aldeias mais pobres de Portugal, e evoca memórias do verão de 1962, o verão de todas as mudanças. O império português, desde a queda de Goa, o assalto ao Santa Maria e o início da guerra colonial, iniciara a sua lenta agonia, no ano anterior. Em Portugal continental, a emigração em massa e o recrutamento de homens para a guerra, faz com que o trabalho nas fábricas seja assegurado maioritariamente por mulheres. A sangria de homens em idade “casadoira” deixa muitas noivas por casar. Na telefonia acabada de adquirir, a mãe de Amélia e as suas quatro tias, cantam e dançam ao som das melodias que lhes chegam de Lisboa, e ouvem as mensagens dos soldados em África no programa Hora da Saudade. O tio, missionário em Angola, regressa inesperadamente, com o pretexto de sofrer de malária, mas intui-se que foi expulso pelas autoridades por defender a independência das colónias e se ter convertido ao paganismo. O pai, um negro hedonista e fanfarrão, estudante universitário e dançarino exímio, é expulso da universidade por ter participado numa manifestação do Dia do Estudante. É mobilizado para a frente em Angola, morre no Tarrafal, acusado de deserção. Já caídas em desgraça desde o nascimento clandestino de Amélia, numa terra profundamente conservadora, as cinco irmãs veem-se a braços com a miséria eminente. A mais velha, professora, e sustento principal da casa, é afastada do ensino quando as posições políticas e religiosas do irmão se tornam conhecidas. Duas das tias, que se dedicavam ao fabrico manual de bordados, veem-se privadas do seu ganha-pão pela concorrência de uma fábrica surgida nas redondezas e fogem sem deixar rasto. A tia preferida de Amélia, Augusta, lésbica, foge à maledicência da aldeia emigrando para França. Ana, a mãe solteira de Amélia, é obrigada a uma vida de trabalho na fábrica para sozinha sustentar os estudos da filha.

 

Transe (2006)

RTP2, sábado, 2 de dezembro, 23h50

Filme

Filme da cineasta portuguesa Teresa Villaverde (“Água e Sal”, “Os Mutantes”, “Colo”), que aborda o tema da imigração, seguindo a dolorosa experiência de Sónia, uma jovem russa que parte em busca de uma vida melhor.

Sónia (Ana Moreira), uma jovem mulher de Sampetersburgo, ambiciona uma vida melhor. Depois de conseguir um passaporte, envolve-se numa viagem que a faz percorrer a República Checa, Alemanha, Itália e Portugal. A viagem é uma verdadeira descida aos infernos onde Sónia se vê enredada no submundo da prostituição internacional. Enfrenta inúmeras provações: rapto, sofrimento, solidão, loucura, violência, abjeção e humilhação. Para além de um medo sempre presente que a oprime, existe uma incompreensão avassaladora, devida ao confronto com idiomas e comportamentos que não compreende. Mas a coragem permanece, e uma redenção parece possível na forma de esperança no amor que nunca será completamente destruído.

 

Prémios Jovens Músicos – Duarte Ventura Quinteto e L.U.M.E. (estreia)

RTP2, domingo, 3 de dezembro, 23h05

Concerto

Concerto Jazz Combo com Duarte Ventura Quinteto e L.U.M.E.

Sob a liderança do vibrafonista Duarte Ventura, o combo Duarte Ventura Quinteto, grupo laureado PJM 2023 na categoria Jazz Combo, reúne músicos que partilham interesses e perspetivas musicais comuns e que se juntaram para dar o seu contributo para a música de conjunto. O grupo apresentou-se pela primeira vez em quarteto no Verão de 2022 com Miguel Valente no saxofone alto, José Almeida no contrabaixo e Luís Possollo na bateria. Um ano mais tarde, com o objetivo de expandir o seu suporte harmónico, o grupo passou a integrar também o pianista Miguel Meirinhos, convertendo-se numa formação de quinteto. O repertório apresentado, da autoria de Duarte Ventura, procura refletir a música por este ouvida e vivida até ao presente. Com o contributo dos restantes membros do grupo, os temas de Ventura irão tornar-se em algo mais abstrato, consistindo numa constante exploração dos limites da música

O L.U.M.E. – Lisbon Underground Music Ensemble é um grupo de 15 músicos, com direção do compositor Marco Barroso, que tem o objetivo de criar um espaço de expressão de música original, num contexto estético particular. Constituído por alguns dos músicos mais experientes da cena jazz e erudita nacional, o L.U.M.E. apresenta um repertório próprio criado pelo seu fundador. Seja por uma dramatização (muitas vezes irónica) das práticas e vocabulários que passam pelo jazz, rock ou música erudita, seja pela incursão no experimentalismo, a música do L.U.M.E. reconstrói, de forma original e pertinente, a carga patrimonial de diversos idiomas, fugindo assim aos seus padrões mais convencionais e abrindo novas e refrescantes perspetivas estéticas. Surgido em 2006, e com vários registos discográficos, o L.U.M.E. tem-se apresentado tanto nacional como internacionalmente em importantes salas e festivais como: Jazz em Agosto, Guimarães jazz, Casa da Música, CCB, Festa do Jazz, London Jazz Festival, Moers Festival (Alemanha), Saalfelden Jazz Festival (Áustria), Jazz Festival Ljubljana, Sarajevo Jazz Fest, Vilnius Jazz festival, Skopje Jazz festival, Jazz sous les pommiers, Novara Jazz, Nijmegen music meeting, Ha”fest Gent, Imaxinasons, entre outros.

Concerto gravado no dia 29 de setembro de 2023, no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian.



FONTE: https://filmspot.pt/

PEDRO SILVA
PEDRO SILVA
SÓCIO GERENTE DO JORNAL ACONTECEU.

MAIS NOTÍCIAS