Brasil e Mundo

Sob Ernesto Araújo, diárias pagas a diplomatas por missões no Brasil crescem 49%

Luiz Fernando Toledo e José Brito, da CNN, em São Paulo

O valor pago em diárias a diplomatas que atuam no exterior e foram chamados para missões no Brasil cresceu 49,29% em 2019, primeiro ano da gestão do ministro Ernesto Araújo no Ministério das Relações Exteriores (MRE), em relação ao ano anterior.

São diplomatas que atuam de forma fixa no exterior, recebem o salário em euro ou dólar e em alguns casos também têm direito a auxílio-moradia em moeda estrangeira, mas mesmo assim são remunerados por diárias para ficar por determinado período no Brasil em serviços provisórios. É o que ocorre quando algum funcionário tem um conhecimento específico ou vai ajudar em algum evento no país. O governo federal defende que esses pagamentos foram feitos dentro da lei.

Em 2019, segundo dados obtidos pela CNN por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI), foram pagos R$ 444,3 mil em diárias a 77 diplomatas, ante R$ 297,6 mil em 2018 para 100 funcionários. Os valores foram atualizados pela inflação no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em geral, o tempo dessas missões é de menos de um mês. A média em 2018, por exemplo, foi de 12 dias. Mas esse número aumentou em 2019, com média de 22 dias. A CNN teve acesso à lista completa de diplomatas que receberam diárias por missões no Brasil em 2018, 2019 e 2020 (até junho). Os dados mostram diárias pagas a ministros de primeira  e segunda classe, conselheiros, primeiro, segundo, e terceiro secretários.

Parte dos diplomatas ficou bem acima dessa média e do tempo considerado mais comum para especialistas ouvidos pela CNN. Em 2019, cinco deles ficaram mais de quatro meses no país: Alberto Luiz Pinto Coelho Fonseca (123 dias), Mateus Fernandez Xavier (142 dias), Fernando Augusto Ferraz Muggiati (142), Mayara Nascimento Santos (146) e Gilsandra da Luz Clark, que ficou seis meses no Brasil no ano passado (181 dias). Só Clark recebeu, em todo o ano de 2019, R$ 40,9 mil em diárias (cerca de R$ 6,8 mil por mês), segundo os dados do Itamaraty fornecidos à CNN.

Enquanto recebem essas diárias, o salário, pago em euro ou dólar, continua sendo pago, bem como o auxílio para pagar a residência funcional no outro país. A remuneração pode superar os R$ 30 mil mensais. Já o auxílio-moradia, conforme a planilha obtida pela CNN, chega até a U$$ 10 mil no mês (R$ 53,8 mil). Somadas essas remunerações, é possível que um mesmo servidor tenha custo de mais de R$ 1 milhão por ano.

Não há nenhum tipo de irregularidade nos pagamentos, mas especialistas ouvidos pela CNN contestam se há realmente necessidade da despesa. Para o cientista político e professor do Insper Leandro Consentino, o histórico do Itamaraty como um ministério poderoso e o insulamento burocrático favorece esse tipo de benefício desses servidores.

“É uma carreira extremamente privilegiada, com um salário alto. Tem-se ideia de que exige muito devotamento por conta da pessoa, que passa muito tempo viajando, dedicando muito tempo à causa do país em um estrangeiro. Já começa pela questão salarial muito acima dos padrões no Brasil, inclusive no serviço público. O Itamaraty sempre foi um órgão muito blindado e, por essa razão, criou privilégios corporativos como o Judiciário e as Forças Armadas.”

Para a doutora em Direito Internacional pela Universidade de São Paulo (USP) e professora de Relações Internacionais da PUC-SP Elaini Silva, a previsão legal da chamada a serviço de servidores lotados no exterior não é um cheque em branco e deve ser interpretada à luz dos princípios que regem a administração pública, como o da eficiência e da proporcionalidade.

“Se o diplomata está lotado no exterior, mas acaba a maior parte do tempo prestando serviços no Brasil, é uma decisão que vai contra esses princípios. Se há necessidade dos serviços aqui no país por muito tempo, deveria estar lotado aqui e receber em real, como outros diplomatas que fazem parte da estrutura no país “, diz. Ela ressalta que o mais comum é que essas missões tenham duração de até 30 dias.

“Acima disso, deveríamos analisar a razão pela qual pessoas que deveriam estar trabalhando na representação de nosso país no exterior permanecem aqui. No momento político e institucional em que nos encontramos, é bem razoável questionar se não se trata de uma tentativa de criação de base de apoio interna favorável.”

Para o professor da Escola de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Pedro Brites, há uma tendência na atual administração de reformular a estratégia do Brasil no exterior e parte dela requer trazer alguns desses diplomatas para atuar no Brasil. “Apesar de estar no exterior, o diplomata fica no Brasil brevemente para auxiliar, por exemplo, no aconselhamento em relação ao que fazer com o país A ou B. Mas em geral é por um período mais curto”, diz.

Governo diz que reduziu gasto

Em nota, o Itamaraty disse que compensou o aumento nas diárias dos diplomatas no Brasil com uma economia no total de diárias pagas a todos os servidores do órgão, que inclui missões no exterior. “O total de diárias pagas pelo Itamaraty ao conjunto de seus servidores, em 2019, foi cerca de 14% menor em comparação a 2018.”

Afirmou ainda que essas chamadas foram necessárias na reestruturação de gestão estratégica do ministério e que, em 2019, os diplomatas foram chamados para prestar apoio a grandes eventos, como a 11ª Cúpula dos BRICS e a Presidência Pro Tempore Brasileira do Mercosul.

O órgão afirmou que as chamadas exigem conhecimento específico na área de administração, para acompanhar visitas oficiais de autoridades dos países onde estão lotados e para realizar sabatinas no Senado Federal.

O MRE informou que, em casos específicos, “o quadro de pessoal lotado no Brasil não se mostra suficiente para atender adequadamente às necessidades pontuais” e reforçou que “as chamadas a serviço otimizam o emprego das capacidades específicas dos servidores do MRE, que são temporariamente deslocados da sede de sua lotação para atender a demandas circunstanciais”.

O órgão reforçou que o pagamento de diárias em chamada a serviço ao Brasil “obedece estritamente ao estipulado na lei e nas orientações dos órgãos de controle. O instituto da chamada a serviço de servidor lotado no exterior está regulado pela Lei nº 5.809/72 e pelo Decreto nº 71.733/73”.

CNN tentou pedir o contato individual dos nomes citados na reportagem ao Itamaraty, mas o órgão afirmou que, “do ponto de vista da administração, não cabe a manifestação de servidores a esse respeito”.

Related Articles

Grupo de trabalho avalia protocolos de retorno às aulas presenciais

William Dolavale

Empresas de medicamentos são acusadas de sonegar R$ 10 bilhões em SP

William Dolavale

Estradas da Zona da Mata e Vertentes terão mais de 30 novos radares

William Dolavale

Polícia Civil decreta prisão em flagrante do presidente do Tupi

William Dolavale

Prazo para alistamento militar está próximo de terminar

William Dolavale

PRF e PCMG apreendem grande quantidade de maconha em Juiz de Fora (MG)

William Dolavale

Traficante Elias Maluco é encontrado morto em presídio federal

William Dolavale

MINISTÉRIO PÚBLICO VOLTA A DEFENDER ELEIÇÕES NA DATA PREVISTA

William Dolavale

Anvisa orienta suspensão de vacina da AstraZeneca para grávidas

William Dolavale

Saúde e Educação elaboram protocolo de retorno seguro às aulas

William Dolavale