Brasil e Mundo

Fim do contrato de concessão da Concer gera suspensão de pedágio na BR-040 entre Juiz de Fora e RJ

Mudança ocorreu após a Justiça Federal nega o pedido de prorrogação da concessionária, que alega desequilíbrio financeiro nos contratos. Governo Federal assume administração do trecho da rodovia a partir de 1º de março e nova licitação está em fase de estudos.

Por Amanda Andrade, G1 Zona da Mata

A Justiça Federal negou o pedido da Concer para prorrogação do contrato de concessão da BR-040, entre Juiz de Fora e Rio de Janeiro. Com isso, a partir de 1º de março, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) assume a administração do trecho e a cobrança de pedágio será suspensa.

A decisão, publicada na sexta-feira (19), é da juíza substituta Diana Wanderlei, da 5ª Vara Federal Cível do Distrito Federal (DF). A Concer informou ao G1 que entrou com recurso.

A Concer administra cerca de 180 km da rodovia há 25 anos, sendo esta a principal ligação entre os estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro e um dos mais importantes eixos rodoviários da região Sudeste do Brasil.

A área de concessão abrange nove cidades: os municípios mineiros de Juiz de Fora, Matias Barbosa e Simão Pereira e Comendador Levy Gasparian, Três Rios, Areal, Petrópolis, Duque de Caxias e Rio de Janeiro, no estado fluminense.

O contrato já estava previsto para terminar em 28 de fevereiro, entretanto a Concer alegou desequilíbrio financeiro e pediu prorrogação na administração da rodovia por mais 138 dias, por causa da crise gerada pela pandemia de Covid-19. Este pedido foi negado pela magistrada.

G1 mostra abaixo detalhes do processo, as ações da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) contra a concessionária e como será a administração da rodovia a partir de março.

Pedido de reequilíbrio financeiro

Duplicação da pista de descida da Serra de Petrópolis em 2015 — Foto: Divulgação/Concer

Duplicação da pista de descida da Serra de Petrópolis em 2015 — Foto: Divulgação/Concer

O contrato de concessão da BR-040 foi iniciado em 1996, com prazo de duração de 25 anos. Porém, a Concer alega que há desequilíbrio financeiro no contrato desde 2014, devido às obras da nova subida da Serra de Petrópolis (RJ). Por conta disso, a concessionária pediu prorrogação para administrar a rodovia por mais 138 dias.

A construção de uma nova pista na Região Serrana do Rio teve início em 2013 e está parada desde julho de 2016, sendo que quase 50% foi concluído. Na época, a Concer disse que sem os aportes que deveriam ser feitos pelo Governo Federal, não tinha como arcar com a continuidade da construção da pista.

Em 2017, o Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu que as obras da nova subida da Serra deveriam continuar paralisadas, após indícios de superfaturamento e sobre preço no orçamento, além de afirmar que os projetos, básico e executivo, estão desatualizados e são deficientes.

Em 2018, Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) também abriu processo para cassar a concessão da Concer.

O procedimento foi aberto porque a Agência considerou que a concessionária não estaria cumprindo o contrato, além de reclamações de motoristas sobre conservação da estrada, engarrafamentos, preço dos pedágio e possível superfaturamento da obra na serra de Petrópolis, que foi analisado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). O processo da ANTT ainda segue aberto e em análise

O pedido de liminar foi negado pela 5ª Vara do Distrito Federal. Na justificativa, a juíza Diana Wanderlei considerou “a má prestação da concessionária ao longo dos anos, fatos, inclusive, reconhecidos pelo Tribunal de Contas da União, e que há processo de caducidade diante da má-prestação de serviço da autora”.

A magistrada pontuou que há diversas fotos e vídeos que mostram o “precário estado de conservação da rodovia” e que “a obrigação contratual é de manter a excelência permanente em todos os trechos, para isso recebe o pedágio do passageiro”.

O Tribunal também levou em conta o alto número de Termos de Registro de Ocorrência (TROs) contra a Concer lavrados pela fiscalização da ANTT : foram 1.419 no período entre 2015 a 2020, sobre diversos problemas como pavimentação, sinalização, obras e contenções.

Nova concessão apenas em 2022

Com o fim do contrato, o Dnit assume a administração do trecho entre Rio de Janeiro e Juiz de Fora. O Governo Federal explicou que o processo de transição até a saída definitiva da Concer deve durar alguns dias, porém, a partir do dia 1º de março, as praças de pedágio estarão liberadas ao tráfego.

Atualmente, são três pontos de pedágio: o no km 102, na localidade de Xerém, em Duque de Caxias (RJ); no km 45,5, em Areal (RJ); e no km 816,7, em Simão Pereira (MG).

Com o fim da cobrança de tarifa, outros serviços também ficam comprometidos ou sofrem mudanças. Um dos principais é o atendimento médico, que atualmente é feito por médicos, técnicos de enfermagem e socorristas contratos pela Concer, que atuam em sete unidades de resgate e três de socorro médico.

De acordo com o Dnit, o atendimento médico ficará sob responsabilidade dos governos estaduais do Rio de Janeiro e Minas Gerais, através do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

O departamento também reforçou que os serviços básicos não serão prejudicados, como como obras de manutenção da rodovia, guarda patrimonial e serviço de guincho.

Desde o ano passado, o Governo Federal trabalha na realização de estudos para uma nova concessão do trecho da BR-040. O projeto está sendo feito através do Programa de Parcerias de Investimento (PPI), do Ministério da Infraestrutura.

A previsão é que o leilão ocorra no final de 2022 e o contrato, com prazo de 30 anos, tenha início em 2023.

O que diz a Concer

Em nota, a Concer afirmou que já recorreu da decisão da Justiça Federal e “reafirma haver créditos em favor da Concessionária, não apenas quanto ao pleito da ação em questão, mas principalmente em relação ao custeio das obras da nova subida da Serra”.

A administradora pontuou que em 25 anos à frente da BR-040, acumula investimentos executados na rodovia que superam em 190% o conjunto de melhorias previstas no contrato original de concessão.

“A própria ANTT, em levantamento feito em 2015, já registrava investimentos 146% acima do que foi contratado em 1995. Com os investimentos da Concer, a BR-040 recebeu 76 quilômetros de pistas ampliadas e duplicadas, nos trechos de Duque de Caxias e de Minas Gerais, além de pontes, viadutos, redes de iluminação, 28 passarelas, 23 quilômetros de telas antiofuscantes, retornos operacionais e novos acessos. Também acumula mais de 600 mil atendimentos mecânicos e 90 mil atendimentos médicos.”

A concessionária também disse que os os efeitos de grave inadimplência por parte da União, impediram a conclusão das obras da nova subida da Serra de Petrópolis.

“Ao descumprir o contrato de concessão, não honrando os meios de custeio da obra, o poder concedente causou a paralisação do último trecho da BR-040 a ser modernizado pela Companhia, que chegou a executar quase 50% da NSS até julho de 2016. A inadimplência prejudicou a concessão, que entrou em recuperação extrajudicial, e os usuários, que continuam trafegando pela pista obsoleta da subida da serra.”

Related Articles

Nova greve dos Correios é marcada para terça; saiba o que a categoria pede

William Dolavale

Operação Nossa Senhora Aparecida 2020

William Dolavale

Com quase 180 mil mortos, pandemia está crescendo no Brasil, mas Bolsonaro diz que está no “finalzinho”

William Dolavale

Asscom de Bicas lança a Campanha de Natal 2020

William Dolavale

Primeiro caça Gripen da Força Aérea chega ao Brasil de navio

William Dolavale

Retorno das aulas em 2021 será remoto nas maiores cidades da Zona da Mata

William Dolavale

Mega-Sena acumula e próximo concurso pode pagar R$ 45 milhões

William Dolavale

Como deve ficar o salário mínimo em 2021?

William Dolavale

OCORRÊNCIA EM SANTOS DUMONT:

William Dolavale

PF faz operação em 2 estados e investiga desvio de R$ 94 milhões nos Correios

William Dolavale