Brasil e Mundo

ALMG propõe incentivos para empresas afetadas pela pandemia

Projeto de lei que institui o “Recomeça Minas” prevê facilidades para regularização de dívidas com o Estado e subsídio para retomada de setores econômicos

Por Gracielle Nocelli

Empresas mineiras impactadas pela pandemia da Covid-19 poderão receber incentivos para a recuperação econômica. Criado pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), o Projeto de Lei 2442/2021 institui o “Recomeça Minas”, que prevê descontos e facilidades para a regularização de dívidas com o Estado, que propiciem a arrecadação de recursos que irão subsidiar o processo de retomada dos setores. A expectativa é de que o PL seja votado e encaminhado ao governador Romeu Zema (Novo) até o dia 30 de abril.

Em videoconferência realizada nesta segunda-feira (19), o presidente da ALMG, Agostinho Patrus, explicou a dinâmica do projeto. “São dois pilares específicos. O primeiro é a regularização de dívidas que os empresários têm com o Estado por meio de descontos de juros e multas, além de parcelamento.” Os percentuais e as condições de pagamento ainda estão sendo estudados.

Segundo ele, o débito das empresas mineiras é estimado em R$ 60 bilhões, considerando dívida, juros e multas. Com as condições facilitadas, a expectativa é regularizar um quarto deste montante. No entanto, na prática, o ganho real esperado é de R$ 7 bilhões, extraindo juros e multas.
O segundo pilar do “Recomeça Minas” consiste em como serão empregados os valores arrecadados. “O projeto vai tratar com diferentes setores para levar incentivos, reduzindo ICMS, a conta de luz e outros itens que impactam as empresas. Esses recursos farão frente a estas despesas que surgirão com incentivos.”O conteúdo continua após o anúncio

De acordo com Patrus, serão destinados R$ 2 bilhões em incentivos para as empresas afetadas pela pandemia este ano. “O valor será revertido para que elas mantenham os empregos. Afinal, nesse momento, se a pessoa perde o emprego, isso se torna um problema ainda maior.”

Demandas de JF

Durante o encontro virtual, que também contou com a participação da prefeita Margarida Salomão (PT), entre outras autoridades e representantes de setores privados, Patrus destacou as demandas específicas de Juiz de Fora. “O comércio está sofrendo muito, principalmente, aquela parte que tem dificuldade de fazer vendas on-line. São muitos fechamentos.” Ele também citou as dificuldades enfrentadas pelos segmentos de serviços, alimentação fora do lar, turismo e eventos.

Já a prefeita de Juiz de Fora pontuou que é preciso discutir projetos que contribuirão para uma melhora do cenário pós-pandemia. “Nós estamos vivendo uma tragédia social e um absoluto desacerto econômico em função dos diversos atropelamentos que temos vivido no país. Esse tipo de projeto é muito importante para a recuperação das nossas cidades, já que não é apenas um planejamento de enfrentamento durante a pandemia, mas também no pós-pandemia, naquilo que precisamos fazer para recuperar o nosso estado e o direito à vida da nossa população.”

Para a construção do Recomeça Minas, têm sido realizados encontros virtuais com as lideranças empresariais de cada região do estado. A proposta é que as empresas vejam os primeiros resultados do projeto ainda no primeiro semestre de 2021.

Related Articles

Espanha é país com mais profissionais de saúde infectados com Covid-19

William Dolavale

Veja quem são os empresários que ganham com a cloroquina no Brasil

William Dolavale

Romeu Zema detalha Plano de Vacinação em Minas Gerais

William Dolavale

60 corpos em decomposição são encontrados dentro de vans nos EUA

William Dolavale

Manifestantes fazem carreata pela suspensão do lockdown em JF

William Dolavale

Polícia Federal apreende mercadorias roubadas dos Correios

William Dolavale

24% das empresas não têm funcionárias negras, diz pesquisa; 1 em 4 não têm mulheres em cargos de chefia

William Dolavale

OPERAÇÃO SEGURANÇA PÚBLICA TAMBÉM SE FAZ COM MÚSICA

William Dolavale

JBS TRAZ 30 NAVIOS DE MILHO DA ARGENTINA EM MEIO A QUEBRA DE SAFRA NO BRASIL

William Dolavale

Mais de 60% das cidades da Zona da Mata não registraram mortes por Covid-19 nos últimos 30 dias

William Dolavale